terça-feira, agosto 11, 2015

Faz 1 ano


Entre julho e agosto do ano passado, exatamente há um ano, eu passei por um crise pessoal, seguida de uma desilusão amorosa. Desilusões podem ser corriqueiras, inevitáveis e tristes, mas uma crise pessoal é muito pior. É algo que vai muito além disso. Você tenta dar vazão para sua própria vida, sem sucesso. Vai vagando, dia após dia, na busca de algum sentido. Porque, quando a crise surge, tudo que fazia sentido então deixa de fazer. Foi uma crise que demorou pra terminar, com o passar dos meses eu fui melhorando. Conheci uma pessoa que me ajudou muito a melhorar e a enfrentar outra etapa difícil da minha vida. Graças a ele eu fiquei bem. Mas fiquei só bem, não totalmente "recuperada". Eu não me sentia plena ao lado dele, eu só me sentia um pouco bem. Achava que, àquela altura do campeonato, eu não poderia me dar ao luxo de me sentir plena. Bastava eu me sentir melhor. E quando novamente a desilusão veio, para ambos, eu não voltei a ficar mal como antes, pois a crise já tinha ido embora. Mas a sensação de me sentir plena, como outrora, tinha sumido. Eu estava notoriamente infeliz. Não no estado de antes, mas eu simplesmente empurrava com a barriga.


Felizmente as conjunturas do universo me trouxeram até aqui. Chegada dos trinta e a minha alma implorava por alguma mudança. Dizem que fui corajosa, mas coragem seria ter ficado e aguentado sobreviver ao invés de viver. Então não foi tão difícil.

Hoje, vivendo no Rio de Janeiro há mais de um mês, trabalhando, estudando, conhecendo outras pessoas, andando por outras ruas, tendo outra rotina, eu consigo notar que toda essa mudança não foi em vão. Eu sinto uma mudança interior, eu me sinto novamente plena. Eu sinto que a vida precisa de movimento, senão ela acaba antes mesmo da gente morrer. Só depois de um ano, enfim, eu consegui reverter a situação e sentir que a minha crise findou. Talvez ela volte, mas de outro jeito. A crise de um ano atrás definitivamente morreu. Exatamente agora eu sinto o meu coração bater diferente, com novas esperanças e novos sonhos embutidos ali. O meu oxigênio. Trinta anos com gosto de um genuíno recomeço foi a melhor coisa que poderia ter acontecido. Grata a Deus por isso.


Um comentário:

  1. Jazz (adorei esse apelido, já adotei, tá?), primeiramente, que delícia reencontrar seu blog!
    Segundamente, que ótimo saber que depois de uma crise você conseguiu se encontrar e em um novo lugar. As vezes a vida fica de cabeça pra baixo pra gente sair do lugar e dar um novo sentindo pra ela. Vamos juntas.

    Super bêjo.

    ResponderExcluir